Especialização Lato Sensu em Cooperação Internacional

pictureEspecialização Lato Sensu em Cooperação Internacional

Dentro da missão dos cursos de pós-graduação, este curso atenderá a uma demanda significativa da sociedade civil e do Estado e suas relações, para análise do ambiente externo e interno das nações, para concepção, elaboração e execução de programas e projetos de cooperação internacional, e especialmente para captação de recursos para aplicabilidade nos projetos e programas. Oferecendo um quadro curricular de cunho teórico-prático, voltado para as necessidades organizacionais contemporâneas, e um exercício profissional ideal para as novas exigências do mercado. O valor da mensalidade é competitivo, considerando-se a média dos valores cobrados pelos cursos de pós-graduação lato sensu.

 

FORMULAÇÃO DE PROJETOS E CAPTAÇÃO DE RECURSOS
Objetivo geral:

Capacitar e aperfeiçoar profissionais para atuarem na formulação, no gerenciamento, na captação de recursos, na análise/avaliação e na execução de programas e políticas ligados à Cooperação Internacional.

Objetivos específicos:

A. Formar profissionais com interesse no desenvolvimento sustentado de organizações públicas, privadas e do terceiro setor;
B. Capacitar profissionais para a captação de recursos internacionais à execução das atividades dos setores em que estiverem inseridos;
C. Formar profissionais de alto nível com sólidos conhecimentos sobre processos, tendências, mecanismos, modelos, legislação, políticas, ética, projetos e estratégias ligadas a cooperações
interorganizacionais como um todo e, em especial, à Cooperação Internacional.

Campo de atuação:
Este profissional poderá atuar em organizações públicas ou privadas como professor e/ou consultor de vários segmentos.

Perfil do profissional:
Alunos recém formados e aos profissionais de nível superior das mais diversas áreas de atuação, tais como relações internacionais, administração, direito, ciências sociais, etc.

Público alvo:
Profissionais que atuam ou pretendem atuar em:

a. Assessorias e Consultorias privadas de captação de recursos internos e externos;
b. Fundações Públicas e Privadas;
c. Governos nacionais, estaduais e municipais;
d. Instituições de ensino e pesquisa;
e. Meios de comunicações diversos;
f. Organizações do terceiro setor atuantes na sociedade civil; e
g. Organismos Internacionais.